segunda-feira, 7 de setembro de 2009

TEXTÍCULO

IDIOTA: era um adjetivo que caía como ninguém naquela personalidade. Só eu sei como me coçei pra perguntar se o fato de dispor tanta idiotisse lhe causava alguma dor. Uma pena, já que a oportunidade não veio. Nem a coragem.

Eu não sei por que, mas eu tenho esse costume de travar verdadeiros duelos com quem me incomoda. E a explicação de eu ter {ainda} meus 4 dentes da frente é que os duelos não saem da circunferência da minha cabeça. RÁ. É tudo mentalmente mentalizado. Cada milímetro. Vai ver que isso acontece pelo fato de eu nunca ter respostas prontas. (Não nas primeiras 24h de conflito - que é o tempo que eu gasto pra inventar {copiar} qualquer resposta cabível). É a velha história de nunca saber o que falar na hora. Depois é que eu fico: Que merda, hein? Dava pra eu ter dito isso...

Só sei que eu alimento essas briguinhas mentais pra suprir qualquer necessidade de sair por cima. Afinal de contas, no dia em que eu inventar uma picuínha na minha cabeça e no fim das contas sair perdendo: eu me mato.

Além de inflar meu "superego" as discussões são hilárias. E como me divertem... Há dias em que nem conseguir dormir dá certo. No calor do momento saem coisas tão engraçadas... O efeito colateral é que dá azia. "Pro-cê-ver" como eu me empenho em brigar, rs...

Mais engraçado ainda é quando há o meu encontro com o correspondente. É preciso toda uma técnica diplomática para se manter sóbrio. Afinal de contas, morrer de rir seria externar toda a parafernalha mental armada para um show que já passou. Um grande defeito meu é não saber "ficar de mau" por muito tempo. Então, sendo as pazes feitas ou não: o pano cai e só muda - mais tarde - o protagonista.

4 comentários:

Andrea disse...

Você está a um passo de virar personagem da Glória Peres...

FRANCO, Murilo disse...

Por que?

Andrea disse...

Os quadros de esquizofrenia podem variar de paciente para paciente, sendo uma combinação em diferentes graus dos sintomas abaixo:


Delírios:
o indivíduo crê em idéias falsas, irracionais ou sem lógica. Em geral são temas de perseguição, grandeza ou místicos
Alucinações:
O paciente percebe estímulos que em realidade não existem, como ouvir vozes ou pensamentos, enxergar pessoas ou vultos, podendo ser bastante assustador para o paciente.

Tenha uma ótima semana,Ta-tan!

Rianne disse...

cuidadooo... se já eh dificil viver carregando um cemiterio na cabeça imagina um ring mental... Cruz-credo!!