quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

MANIA DE ESQUECER

Você diz que é desleixo, lerdeza e falta de atenção. E que a cabeça eu vou terminar perdendo. Mas que fale... Se o que me importa é ver você de novo, não custa esquecer alguma coisa contigo. Por onde ando, vou semeando meus pertences. Aquele casaco no banco de trás, o livro sobre a cômoda, uma bermuda na gaveta, os pés das meias no varal...
É coisa minha que, por hora, é sua. Sou eu de presente - em doses homeopáticas e com vencimento. E se sou eu contigo, por favor, não se apresse na devolução. Porque, em especial, eu não me deixo esquecer de algo: você precisa lembrar de mim. De resto, tudo é pretexto para que haja um reencontro casual.

- e mais outro, e mais outro -

3 comentários:

cecilia disse...

Nessa vida nem tudo se deve ser esquecido e acho que deve sim existir reencontro casual e mais outro e mais outro.Tem tudo deve se acabar...
Murilo tem selinhos pra ti no blog,se puder postar ficarei feliz.
Beijos

Diana disse...

São como pequenas briguinhas que criamos pra ter um pretexto de fazer as pazes, marcas na pele pra lembrar horas passadas, plantar flores que daqui meses vão florescer.

mente inconstante disse...

ADOREI aqui! I´m following U, man. Posso? :)